The Symmetry Concept of the Basic Education Teachers

Cláudia Maia-Lima, Angela Couto

Abstract

The curricular changes that have occurred with the Mathematics syllabus of 2007 and 2013 showed, among other situations, the introduction of new contents and the conceptual change of symmetry. For the teachers, these changes require scientific updates to be provided so that the outcomes of the mathematics teaching can be guaranteed.

In the academic year 2011/2012 a questionnaire was applied to a 142 inservice basic education teachers of a particular region of Portugal, to analyze the content knowledge in this subject (symmetry) and the form of scientific update occurred. In this article we will make a description of those results.

Keywords

Isometry, Symmetry, Inservice teachers

Full Text:

PDF

References

Amaral, A., Ralha, E., & Gomes, A. (2011). A história dos programas de matemática para a formação dos professores do 1.º Ciclo do Ensino Básico em Portugal: O conceito fundamental de medida. Retrieved from http://hdl.handle.net/1822/15421

Associação de Professores de Matemática (2013). Posição da direção da Associação de Professores de Matemática (APM) sobre o despacho de revogação do Programa de Matemática do Ensino Básico (PMEB). Educação e Matemática, 122, 2-3.

Brunheira, L. (2013). Exames, metas e um programa – a trilogia do regresso ao passado. Educação e Matemática, 122, 1.

Canavarro, A. P. (2010). Formação precisa-se: Um investimento continuado por parte de todos. Educação e Matemática, 108, 1.

Canavarro, A. P., Tudella, C., & Pires, M. (2009). Um novo programa de Matemática para o Ensino Básico. Educação e Matemática, 105, 1.

Fisher, L. (2007). Pedagogy and the Curriculum 2000 reforms at post-16: The ‘learn it, forget it’ culture? Curriculum Journal, 18(1), 103-114. doi: 10.1080/09585170701292257

Gomes, A. (2012). Transformações geométricas: Conhecimentos e dificuldades dos futuros professores. In APM (Ed.), Actas do SIEM (pp. 233-243). Lisboa: Associação de Professores de Matemática.

Grupo de Trabalho de Geometria da Associação de Professores de Matemática (GTG) (s.d.). O que gostaríamos de fazer em geometria, com o novo programa que nem sempre está escrito que se pode ou deve fazer (Documento de trabalho do GTG). Retrieved from http://www.apm.pt/files/_SE_GTG_4a951e9ca03e1.pdf

Grupo de Trabalho do 2.º Ciclo da Associação de Professores de Matemática (GTG2) (2010). E agora? Contributos para viabilizar na prática o novo programa de Matemática no 2.º Ciclo. Educação e Matemática, 108, 35-36.

Hill, H. C., Blunk, M. L., Charalambous, C. Y., Lewis, J. M., Phelps, G. C., Sleep, L., & Ball, D. L. (2008). Mathematical knowledge for teaching and the mathematical quality of instruction. An exploratory study, cognition and instruction, 26(4), 430-511. doi: 10.1080/07370000802177235

Loureiro, C. (2009). Geometria no novo programa de matemática do ensino básico. Contributos para uma gestão curricular reflexiva. Educação e Matemática, 105, 61-66.

Ilaslan, S. (2013). Middle school mathematics teachers’ problems in teaching transformational geometry and their suggestions for the solution of these problems. Dissertação de Mestrado, Middle East Technical University, Turquia.

Ma, L. (2009). Saber e ensinar matemática elementar. Lisboa: Gradiva.

Mabuchi, S. T. (2000). Transformações geométricas: A trajetória de um conteúdo ainda não incorporado às práticas escolares nem à formação de professores. Dissertação de Mestrado, Universidade Católica de São Paulo, Brasil.

Martins, M. C. (2011). O desenvolvimento profissional de professores do 1.º ciclo do ensino básico: Contributo da participação num programa de formação contínua em matemática. Tese de doutoramento, Universidade de Lisboa, Portugal.

Ministério da Educação (1991). Organização curricular e programas do ensino básico — 2.º ciclo. Lisboa: Direção Geral dos Ensinos Básicos e Secundários.

Ministério da Educação e Ciência (2013). Programa e metas de curriculares de matemática. Lisboa: Ministério da Educação.

Pinheiro, J., & Cabrita, I. (2012). m@c ½: uma experiência de formação contínua em Matemática. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Ponte, J. P., Serrazina, L., Guimarães, H. M., Breda, A., Guimarães, F., Sousa, H., Menezes, L., Martins, M. E., & Oliveira, P. A. (2007). Programa de matemática do ensino básico. Lisboa: Ministério da Educação.

Ponte, J. P., & Sousa, H. (2010). Uma oportunidade de mudança na matemática do ensino básico. In GTI (Org.), O professor e o programa de Matemática do ensino básico (pp. 11-41). Lisboa: Associação de Professores de Matemática.

Price, J. N., & Ball, D. L. (1997). There’s always another agenda’: Marshalling resources for mathematics reform. Journal of Curriculum Studies, 29(6), 637-666. doi: 10.1080/002202797183810

Rodrigues, M. (2009). As capacidades transversais no Novo Programa do Ensino Básico. Desafios da sua integração. Educação e Matemática, 105, 38-40.

Santos, L., & Serrazina, M. L. (2013). Entrevista a Leonor Santos e Lurdes Serrazina. Educação e Matemática, 121, 3-9.

Shulman, L. S. (1986). Those who understand: Knowledge growth in teaching. Educational Researcher, 15(2), 4-14.

Shulman, L. (2005). Conocimiento y Enseñanza: Fundamentos de la nueva reforma. Currículum y formación del profesorado, 9(2). Retrieved from http://www.ugr.es/local/recfpro/Rev92ART1.pdf

Shulman, L., & Sherin, M. G. (2004). Fostering communities of teachers as learners: disciplinary perspectives. Journal of Curriculum Studies, 36(2), 135-140. doi: 10.1080/0022027032000135049

Silva, J. T. (2010). O uso reconstrutivo do erro na aprendizagem de simetria axial: Uma abordagem a partir de estratégias pedagógicas com o uso de tecnologias. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade de São Paulo, Brasil.

Veloso, E. (2012). Simetria e Transformações Geométricas. Textos de Geometria para professores. Lisboa: Associação de Professores de Matemática.

Veloso, G.; Brunheira, L., & Rodrigues, M. (2013). A proposta de programa de matemática para o ensino básico: Um recuo de décadas. Educação e Matemática, 123, 3-8.

Viana, J. P. (2013). Os efeitos do Plano da Matemática. Educação e Matemática, 121, 10-11.



Categories: 2016, Articles, Mathematics Education

Tags: , ,

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: